5 desafios para empreender em Portugal e as 5 forças de Porter


Quando decidimos empreender em Portugal muitas vezes somos tomados pelo ânimo e pelo otimismo. Se isto é bom por um lado, por outro tem o problema de fazer o empreendedor subestimar os desafios que vem pela frente. Quando se trata de empreender em outro país estes riscos subestimados podem ser o fim do sonho da migração e do empreendedorismo.

A ferramenta de 5 Forças, de Michael Porter, é  uma metodologia que nos ajuda a analisar os riscos e desafios que teremos ao empreender em Portugal e em qualquer lugar do mundo.  Neste artigo vamos ver como usar esta ferramenta no contexto do empreendedor migrante.

 

As 5 forças de Porter no contexto do empreendedor migrante

As 5 forças de Porter consiste em uma análise aprofundada do contexto do negócio para identificar desafios e elaborar uma estratégia para superá-los. Para isso, o empreendedor precisa obter informações detalhadas e buscar o máximo de respostas para suas perguntas. Contar com alguém ou uma consultoria de negócios que conheça o país de destino onde se quer empreender é fundamental para o sucesso desta análise.

5 Forças de Porter para Empreender em Portugal

As 5 Forças de Michael Porter

Vejamos quais são os 5 grandes desafios para o empreendedor migrante, de acordo com as 5 forças da análise de Porter:

 

1 – A concorrência acirrada

Você sabe quem serão seus concorrentes ao empreender em Portugal? É preciso conhecê-los a fundo a fim de identificar suas estratégias, posicionamento, como se relacionam com clientes entre outros fatores.

Portugal não é um mercado muito grande mas ainda há espaço para muitos negócios. Entretanto, atividades como restauração, cafetarias, serviços para auto, confeitarias, entre outros podem ser muito concorridos. Vale lembrar que o país faz parte da União Europeia e está de portas abertas para muitos negócios do continente, o que aumenta a concorrência.

Uma forma de se preparar para enfrentar a concorrência é responder às seguintes perguntas:

  • Como é a concorrência para o seu negócio?
  • Existem muitas empresas concorrendo?
  • Elas são de pequeno ou grande porte?
  • São marcas estabelecidas as que possuem a preferência do consumidor?
  • O que elas fazem de diferente em relação aos concorrentes no seu país de origem?
  • Qual é o preço que elas praticam? É possível concorrer com este preço?

Lembre-se: há concorrência, direta ou indireta, para TODOS os negócios que fazem sucesso.

     

 

2 – Os produtos substitutos

Antes de seu produto ou serviço existirem as pessoas já viviam sem ele ou compravam de outra empresa. Mesmo que sua ideia seja inovadora sempre há uma forma de substituir seu produto ou serviço por outro, ainda que parcialmente. Os produtos substitutos irão concorrer diretamente com seu negócio, principalmente na questão de preços.

Uma forma de identificar produtos substitutos:

  • Se o seu produto ou serviço não existe no país que vai empreender, o que as pessoas fazem para viver sem ele?
  • Qual a diferença de preço e qualidade entre o produto/serviço que quer prestar/vender e o de seus substitutos?

Lembre-se: a concorrência é acirrada e ainda que ninguém venda um produto exatamente igual ao seu sempre haverá substitutos e alternativas que farão quase as mesmas coisas e de formas semelhantes.

 

3 – A negociação com fornecedores

Ainda muito conservador e um pouco fechado, Portugal e outros países da Europa podem ser receosos na hora de fazer parcerias com empreendedores estrangeiros. Adquirir a confiança deles é fundamental para o sucesso do seu negócio.

A chave é tratar todos os seus fornecedores como parceiros. Empreender em Portugal requer confiança e honestidade para a formação de parcerias com fornecedores e esta pode ser a chave para lhe diferenciar da concorrência.

Alguns pontos para se analisar:

  • Quem serão seus fornecedores e como é a relação para se chegar até eles?
  • Possui algum contato que possa lhe apresentar? Se não, qual será a sua abordagem?
  • Quem são os fornecedores dos seus concorrentes? São exclusivos? Como chegar até eles?

Lembre-se: ninguém trabalha sozinho e quanto maior for a parceria com seu fornecedor melhores as oportunidades de negócio.

 

4- Os novos concorrentes

Quem vem de outro país tem a vantagem de trazer consigo toda uma cultura que pode fazer a diferença em um negócio. Os brasileiros são conhecidos pelo bom atendimento que prestam, por exemplo. Estas diferenças no atendimento, ou em uma receita, uma metodologia, ou gestão de custos e fornecedores, podem ser vantagens que farão seu produto ou serviço se diferenciar da concorrência.

Mas tão logo seu produto faça sucesso ele poderá ser copiado. É preciso então pensar em estratégias que, se não evitarem a cópia, mantenham o seu negócio como referência e inovador.

Algumas dicas para evitar que suas ideias criem novas concorrências:

  • Registre sua marca ou crie patentes;
  • Aperfeiçoe-se sempre: esteja um passo à frente de sua concorrência, mesmo que ela o copie;
  • Fortaleça sua marca: se não é possível evitar a cópia, fortaleça desde o inicio a marca do seu negócio para que ele seja vista como pioneira ;
  • Tenha uma boa relação com fornecedores: contratos de exclusividade, negociações diferenciadas, entre outros; uma boa relação com parceiros pode criar vantagens que seus concorrentes novos não terão como obter.

Lembre-se: só é copiado quem inova e faz sucesso. Inovar sempre é preciso.

 

5 – O poder de barganha de seu cliente

Qual é o poder que seu cliente tem? Depender exclusivamente de poucos clientes é um risco que o empreendedor pode correr. Uma alteração em contratos ou a rescisão de um cliente pode representar a perda de boa parte do faturamento.

Não só isso, depender de poucos clientes pode obrigar-te a direcionar boa parte de seus esforços para eles, de forma a concentrar a sua atuação em atendimento e prejudicar a aquisição de novos clientes ou a criação de novos negócios.

Algumas dicas para analisar este ponto:

  • Qual o poder de negociação de seus futuros clientes e o quanto você depende delas?
  • Perder um cliente é um risco para seu futuro negócio?
  • Existem alternativas a que seus clientes possam recorrer para aumentar o poder de negociação deles, como concorrentes, produtos substitutos ou negociar diretamente com o fornecedor? Como contornar isso?

Lembre-se: quanto mais você depender de um cliente maior é o poder de barganha que ele tem.

 

Transformando desafios em forças

Como sempre demonstramos, todos os desafios são superáveis por quem tem um bom plano de negócios e conta com parceiros para desenvolver seu produto ou serviço. Afinal, não é possível trabalhar sozinho.

Para transformar estes desafios em forças você precisa analisar cada um destes pontos no país de destino e ajustar o seu plano de negócios a esta realidade. Desenvolver um plano de ação para superar estes desafios e diminuir os riscos também lhe ajudará a ter sucesso em seu empreendimento.

 

Referências:

Nakagawa, Marcelo. Ferramenta: 5 forças de porter (clássico). Movimento Empreenda. Endavor e Editora Globo.

Lima, Daniel (2011, Agosto 9). As Cinco Forças de Porter. Portal Administradores. (http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/as-cinco-forcas-de-porter/57341/)

4 comentários sobre “5 desafios para empreender em Portugal e as 5 forças de Porter

  1. Olá amigos, conteúdo de excelente qualidade!

    Tirem-me uma dúvida. Dizem que o mercado da restauração em Portugal já está bastante saturado, no entanto acredito que ainda há oportunidades para franchinsings de qualidade e para quem se diferenciar fazendo algo novo, devido ao boom turístico do país. Dito isto, minhas dúvidas são as seguintes:

    1- O payback e margem de lucro dos negócios costuma ser mais demorado em Portugal em relação ao Brasil? Considere um negócio que atenda em áreas turísticas, apesar do mercado lusitano ser pequeno.

    2- Carga tributária, menor ou maior que no Brasil?

    Abraços

    • Olá Lucas Obrigado por nos acompanhar e deixar seu comentário.

      EM economias estáveis, o payback costuma ser um pouco mais demorado, uma vez que a vriação não é frequente, como ocorre no Brasil todos os anos com novas políticas e novas Leis.
      Em um pequeno ou médio negócio, um retorno para algo em torno de 3 anos é normal.

      Quanto a carga tributária, temos um artigo sobre isso no site também e fique atento ao mês de abril que é o meês da contabilidade.
      Mas sim, a carga tributária em Portugal é menor que no Brasil, mas é uma das maiores da Europa. Não há como comparar este tipo de situação, depende de cada operação.

      Em resumo, vais tratar sempre em qualquer empresa: IVA, Seg. Social e IR. Outros complementos existem, mas são de menor relevância.
      Seja sempre bem vindo e continue acompanhando e partilhando nossos artigos.

      • Olá André, obrigado pela resposta!
        Já assisti vários hangouts com você André, gosto muito do seu profissionalismo e sinceridade na análise de negócios para Portugal!
        Tenho um projeto mas é para daqui um ano ainda, é na área de restauração, e sem dúvida os procurarei, pois acho que a melhor forma de se inserir de maneira planejada no mercado português é com a ajuda de uma consultoria, e tenho visto que a Business PT tem um projeto que vale muito a pena e me interessa muito.

        • Olá Lucas tudo bem? Obrigado pelo contato e sua mensagem.

          Recebemos também seu contato via Chat e deve ter recebido o material de apresentação inicial, entretanto, vamos fazer um novos contato personalizado OK.

          Continue a seguir nossos artigos, todas as semanas com novas informações para que pretende trazer um negócio para Portugal.
          Obrigado 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.